Treinamento de Meditação Integral: os 3 Centros

Treinamento de Meditação Integral: os 3 Centros

Quando falamos de meditação a noção que muitos têm é a de um monge, com as pernas cruzadas na posição do lótus e em silêncio ou entoando um mantra “OOOMMMMMM”.
Alguns que já conhecem um pouquinho talvez diriam que é a prática de deixar a mente em branco.
Outros que já se familiarizaram mais, diriam que é um relaxamento do corpo e da mente que nos traz paz e tranquilidade.
Há quem diga que é entrar em contato com Deus. Ou deuses.
Talvez alguns poucos digam que é o contato profundo com a nossa mente, ou com a Natureza da Mente. Ou com nosso Buda ou Cristo interno.
E qual definição estaria certa? Ou mais certa??

Como a meditação é uma espécie de estado de espírito, um conjunto de qualidades no corpo, nas emoções e na mente, não creio que podemos defini-la num único texto. Então vamos tentar ser mais abrangentes e dizer que é “um profundo contato com nós mesmos e com nosso entorno.”

 

Como eu posso Treinar a Meditação?
“Existem passos para essa coisa? Qualquer um pode fazer? Por onde eu começo? Sou muito agitado, não consigo ficar sentado! Sou muito dorminhoco, não posso ficar sem fazer nada. Sou muito…”, etc.

Primeiro, é importante que compreendamos que nem todas as pessoas são iguais. Aliás, como cada pessoa passou por diferentes experiências e ambientes na sua fase de formação, é impossível na prática ter duas pessoas iguais. Ainda que todos funcionemos com base nos mesmos processos e mecanismos, cada um de nós é diferente. Então por que temos pessoas que se parecem tanto??
Pessoas funcionam com base nos mesmos mecanismos, mas criarão conteúdos internos diferentes entre cada um. Logo, ainda que eu crie um conteúdo onde eu prefiro esportes radicais e meu irmão gêmeo prefira mecatrônica, estamos sujeitos aos mesmos processos e frente a uma decisão os dois podemos tender a fazer antes de pensar. Ou seja, pode ser que nossas preferências sejam diferentes, mas os caminhos pra chegar nelas sejam os mesmos. Por isso podemos generalizar dizendo que existem pessoas que são competitivas, outras são passivas, outras são cautelosas, etc.

Conclusão: se eu prefiro certas coisas, meus objetivos de meditação deveriam estar alinhados com isso, certo? E se eu costumo usar certos processos pra chegar até lá, minha prática de meditação deveria levar isso em consideração até eu conseguir ampliar minha gama de ferramentas.

 

Os 3 Centros
Numa generalização, temos pessoas que preferem primeiro fazer, depois ver no que dá. Estes são os instintivos. E temos os que preferem sentir a si mesmos, pessoas e ambientes antes de qualquer outra coisa. Damos o nome de emocionais. E temos aqueles que naturalmente observam e analisam racionalmente tudo antes de tomar qualquer decisão. Estes são os mentais.
Qual é a melhor forma de ser? Nenhuma, oras! Onde já se viu comparar formas de ser.
Instintivos tem uma grande vantagem é que naturalmente, isso significa que sem treino consciente, podem ter muita capacidade de iniciativa e reação. Mas também podem ser meio grossos ou de visão curta.
Emocionais conseguem naturalmente ser sensíveis ao ponto de perceber mudanças nas pessoas, nos ambientes, que os demais não percebem. Mas podem se tornar hiper-sensíveis e entrar no drama e exageros.
Mentais são naturalmente observadores e imaginativos. Conseguem explorar sua mente sem influência dos outros centros. Mas podem ficar utópicos, cabeça-duras e difíceis de compreender.
Cada um com seu cada qual.

 

A Prática da Meditação Completa
Para uma boa prática de meditação, devemos incluir esses três elementos em algum momento da prática. Isso porque, em primeiro lugar, normalmente não sabemos nosso centro principal – estamos bem misturados e confusos na nossa vida. E segundo, não é saudável ficarmos trabalhado apenas um centro e ignorando os demais. Afinal, se eles estão aí podemos usá-los ou atrofiá-los – e a repressão ou atrofia vai nos causar problemas na vida inteira.

Sempre que uma prática for orientada diretamente para um único centro, essa prática deve ter sido indicada e supervisada por um Treinador experiente. Se não você corre o risco de praticar algo que somente exalte ainda mais seu lado preferido levando ele a um exagero – e tudo que é em exagero se torna ruim. Ou bem pode te levar a trabalhar intensamente um centro ferido ou reprimido, soltando sensações e emoções que você não saiba lidar. Agora, sempre que uma prática inclui os três centros, ainda que essa prática te faça entrar em contato com sensações ou memórias ruins, seu centro que já está fortalecido e seu centro de apoio te “darão cobertura” para que você possa realizar essa viagem de contato profundo consigo mesmo.

 

O Treinador de Meditação
Um bom Treinador ou Instrutor de Meditação vai saber te indicar práticas que te ajudem a desenvolver os três centros de forma equilibrada. Observando as dificuldades que você tem realizando as práticas, ele saberá dizer quais são seus desequilíbrios a serem corrigidos e os seus talentos naturais.
Por exemplo, se facilmente você entra em meditação ativa e se sente bem depois do exercício e consegue meditar sentado melhor, pode significar que você tem uma facilidade para o instintivo. Claro, isso deve ser observado com mais cuidado, pois muita coisa influencia e por isso é vital ter ajuda de um Treinador que acompanhe seu processo de crescimento nas práticas. E talvez se essa mesma facilidade acontecer depois de uma música melodiosa, talvez você tenha uma inclinação natural para o emocional.

 

Pratique. Se agrupe. Persista.
Nenhuma pessoa jamais cresceu ou se transformou sem ter realizado uma prática. Nenhuma pessoa jamais equilibrou ou expandiu um centro sem ter produzido essa mudança. Por isso, busque um grupo de meditação que te ajude a praticar. Busque um Treinador ou Instrutor de meditação que te guie nesse processo. Não precisamos realizar tudo sozinhos, nem reinventar a roda. Se alguém já descobriu, podemos usar a experiência dessas pessoas e criar algo ainda mais profundo, evitando assim ter que reinventar a roda. Essa é a necessidade prática de um Treinador e de um sistema de Treinamento. E nunca desista: mude, adapte, transforme. Mas sempre em frente!

 

Que através de cada uma das nossas ações, palavras, sentimentos e pensamentos, os seres sensíveis desse mundo possam aprender, crescer, transformar-se e servir aos demais.

 

—-

sayuro san hisham

Sayuro Hisham
Treinador CB e Consultor Pessoal, 32 anos de vida e 22 de Cóndor Blanco.
Adora tecnologia, é fascinado pelo funcionamento do ser humano.
Aceita toda filosofia e credo como verdadeiro e nada como absoluto.
www.sayuro.com